Arquivo de etiquetas: Poesia diferente

Mapas de Espelho – É preciso dizê-lo

é preciso dizê-lo   Uma vez mais a rua abria-se, a cor, essa, condescendia no volteio, durante os olhos estultos alargando a satisfação, a visão, essa deriva rápida a entrar em cada coisa, é preciso dizê-lo; outra vez fez estender … Continuar a ler

Publicado em Mapas de Espelho | Etiquetas , , , , , | Publicar um comentário

Mapas de Espelho – Dizes, agora, só para ti

dizes, agora, só para ti   Ela detonava os olhos no mármore, dominada atrevia o seu coração a depositar-se nele até um dia perder: a sua revolta e o mármore desaparecer sob a sua noite encastrada à revelia. O calcário … Continuar a ler

Publicado em Mapas de Espelho | Etiquetas , , , , , , , | Publicar um comentário

Mapas de Espelho – Como se se dissesse

como se se dissesse   A glória começa e acaba em cada corpo, a inocência alcança o limite da lâmina nos seus destroços, como se se dissesse: moinho de velas em foice nas veias da vontade vã; como se um … Continuar a ler

Publicado em Mapas de Espelho, Uncategorized | Etiquetas , , , , | 1 Comentário

Coro

a Maria entrando terra adentro com as suas mãos respirando a força do sol,
a comoção do realizador com a morte e campa da Maria, com as palavras da filha de Maria,
a Maria fixando-se palavra viril – o que é um homem bom? pergunto-te agora? procuro-te
e ficas a pensar na possibilidade do nome das coisas, das tuas coisas quotidianas, tão a jeito e próximas da
tua indiferença,
« o porco-preto é mais difícil de conseguir, corre mais» Continuar a ler

Publicado em Coro | Etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , | Publicar um comentário