Arquivo de etiquetas: Poemas inovadores

Mapas de Espelho – Para que não inventassem que dizia

para que não inventassem que dizia   Revoltou-se na ferida devolvida no confundir do lençol, com o arrojo da indiferença lançou-se na arena: alucinava; Seduzida na sua fúria rompia vermelha viva a carne, oxidado simula em cada ímpeto a afectação … Continuar a ler

Publicado em Mapas de Espelho | Etiquetas , , , , , , | 3 Comentários

Mapas de Espelho – Nada se disse – como quase nada

nada se disse – como quase nada   Arrojou-se até ao umbral – nada se disse – arranjou os olhos, preparou-os, incutiu-lhes a apetência, o apetite, a aparência – nada se disse – olhou para o umbral: apartou-se do coração, … Continuar a ler

Publicado em Mapas de Espelho | Etiquetas , , , , | 5 Comentários

Coro

a Maria entrando terra adentro com as suas mãos respirando a força do sol,
a comoção do realizador com a morte e campa da Maria, com as palavras da filha de Maria,
a Maria fixando-se palavra viril – o que é um homem bom? pergunto-te agora? procuro-te
e ficas a pensar na possibilidade do nome das coisas, das tuas coisas quotidianas, tão a jeito e próximas da
tua indiferença,
« o porco-preto é mais difícil de conseguir, corre mais» Continuar a ler

Publicado em Coro | Etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , | Publicar um comentário