Arquivo de etiquetas: Noite

Mapas de Espelho – Dizes, agora, só para ti

dizes, agora, só para ti   Ela detonava os olhos no mármore, dominada atrevia o seu coração a depositar-se nele até um dia perder: a sua revolta e o mármore desaparecer sob a sua noite encastrada à revelia. O calcário … Continuar a ler

Publicado em Mapas de Espelho | Etiquetas , , , , , , , | Publicar um comentário

Respigar – O que foi que eu fiz ao imprevisto

bailarina fecunda o soldado
que traz a paz deslumbrada
oh! soldado ferido
a bailarina não existe Continuar a ler

Publicado em Respigar | Etiquetas , , , , , , , , , , , , | Publicar um comentário

Respigar – O que foi que eu fiz noite

sob o sol soletra:
só tu sobrevives à solene solitude,
dentro do golpe – aberto e limpo –
só tu saberás o poder; Continuar a ler

Publicado em Respigar | Etiquetas , , , , , , , , , , , , , | Publicar um comentário

Respigar – O que foi que eu fiz por dentro

No, no. Yo no pergunto, yo deseo.                                                    Lorca   O que foi que eu fiz … Continuar a ler

Publicado em Respigar | Etiquetas , , , , , , , , , | Publicar um comentário

Respigar – O que foi que eu fiz ao olhar esse dia

No, no. Yo no pergunto, yo deseo.  Lorca   O que foi que eu fiz ao olhar esse dia:   atira os olhos para longe, a terra fecha na língua as invariáveis declinações do pudor;   como se tivesse existido … Continuar a ler

Publicado em Respigar | Etiquetas , , , , , , , , , , , , , | Publicar um comentário

Respigar – O que foi que eu fiz ao dia de festa

No, no. Yo no pergunto, yo deseo.                                Lorca   O que foi que eu fiz ao dia de festa, como uma flor deitada à beira … Continuar a ler

Publicado em Respigar, Uncategorized | Etiquetas , , , , , , , , , , , | Publicar um comentário

Mateus 7.6 – XXVII

  XXVII   No tempo das buganvílias, amor, as noites segredam os seus  desejos em estivais sorrisos de pálpebras, e os corpos  aproximam-se nos precipícios como se tivessem asas que os  resgatassem na queda.   Mas nos promontórios não há … Continuar a ler

Publicado em Mateus 7.6 | Etiquetas , , , , , , , | Publicar um comentário